28 de Junho de 2020 | Postagem realizada por : Funcional Fit Pilates

Devo fazer Exercício Fisico com máscara? Faz mal?

EXERCÍCIO FÍSICO COM MÁSCARA FAZ MAL?



Por Ariane Russo- Fisioterapeuta Crefito3/86118-F

 Founder e CEO Funcional Fit Pilates

 

Para usar o acessório corretamente ao se exercitar, é preciso adotar uma série de cuidados. O médico do esporte Páblius Staduto Braga, explica tudo o que você precisa saber sobre o tema.

QUAL DEVO USAR? DESCARTAVEL OU DE TECIDO?

Primeiramente, foi testado um modelo descartável, qual foi relatado um desconforto no início do exercício, mas se acostumou com o uso. Durante o teste, foi realizada caminhada e corridas leves e moderadas. O médico mediu volumes de oxigênio e gás carbônico e, por meio de oximetria, a saturação de O2, ou seja, os níveis de oxigênio no sangue. A experiência demonstrou que, ao usar ambas as máscaras, não houve comprometimento do consumo de oxigênio ou aumento do volume de gás carbônico. É verdade que há relato de um certo desconforto, especialmente ao utilizar um modelo de algodão, que grudava mais no rosto. Porém, ao usar máscaras durante o exercício, a pessoa não deixa de inalar o oxigênio, que chega adequadamente aos músculos, e o acessório não retém o gás carbônico. Baseado nos testes, o médico do esporte indica tanto o uso de máscaras descartáveis, quanto daquelas de tecido, que são ainda mais recomendadas, dada a facilidade de acesso a elas. Porém as máscaras descartáveis e as de tecido mais fino, como TNT, gera uma melhor aceitação.

Seis verdades sobre o treino de máscaras

Entre os médicos consultados pelo EU Atleta, há outro consenso: quando a prática de exercícios fora de casa for possível, além de contar com calçados e roupas próprios para a atividade escolhida, deve-se usar máscaras.

 

1.       Reduzem o risco de infecção por vírus transmitidos por vias respiratórias, como a novo corona vírus. Quando usadas corretamente durante atividades físicas, as máscaras, incluindo aquelas caseiras de algodão, já podem oferecer essa proteção se, no ar, há aerossóis com o SARS-Cov-2;

2.       Tendem a causar desconforto durante a prática do exercício, especialmente os aeróbicos, pois o aumento da temperatura local da face gera desconforto, principalmente em climas quentes e úmidos. Além disso, a máscara cria uma barreira, aumentando o esforço ao respirar. Contudo, depois de algum tempo, é possível se acostumar com elas. Nesse processo, é recomendável diminuir a intensidade do exercício e não se preocupar em manter a performance no nível anterior à pandemia de Covid-19;

3.       Não comprometem a entrada de oxigênio ou a exalação do gás carbônico. Isso é um mito. O uso de máscaras durante a atividade física não causa intoxicação por gás carbônico;

4.       Devem ser trocadas sempre que ficarem úmidas. Enquanto as máscaras tendem a garantir proteção por duas a três horas em situações normais, ao praticar exercícios físicos, esse tempo tende a ser reduzido. A máscara úmida aumenta o efeito aerossol e, consequentemente, a transmissão viral;

5.       O constante reposicionamento da máscara com as mãos durante a atividade física invalida qualquer medida higiênica de proteção. O ideal é colocar a máscara corretamente e só mexer novamente nela na hora em que ela ficar úmida e precisar ser trocada por outra;

6.       Não são a única medida necessária para evitar o contato com o novo corona vírus, inclusive ao se movimentar. É preciso manter distância das demais pessoas e redobrar os cuidados de higiene, como a limpeza das mãos com água e sabão ou álcool gel, quando não for possível lavá-las.

 

 O ar entra e sai normalmente. É uma questão de se acostumar. E o ser humano é capaz de se adaptar a quase tudo. Quando faz o exercício com a máscara e começa a pensar em outras coisas, quando vê, já fez. É mais confortável correr sem. Mas, para sua proteção e dos outros, não tem como correr sem máscara – completa o médico, destacando que os testes envolveram exercícios com esforços leve a moderado e que aqueles de alta intensidade não são recomendados nesse momento de pandemia pelo risco de diminuírem a resistência imunológica.

“Não se frustre com a perda de performance, pois, nesse momento, não será possível manter o desempenho anterior à pandemia. Foque em cuidar da sua saúde e manter um bom condicionamento físico”

Como devem ser as máscaras:

São indicadas aquelas de tecido 100% algodão, como os usados para fabricação de camiseta, forro para lingerie e lençóis de meia malha. O tecido também pode contar com algodão e 10%, 8% ou 4% elastano na composição. No entanto, é preciso que a máscara conte com diversas camadas. Segundo pesquisadores americanos, esses tecidos usados para confecção de máscaras caseiras podem proteger mais quando dobrados diversas vezes.

Este mês, a OMS divulgou novas orientações para as máscaras de tecido comercializadas ou caseiras com base na análise de evidências disponíveis e consulta a especialistas. De acordo com a Organização, idealmente, o item deve ter três camadas:

1.       Um forro de algodão;

2.       Um filtro intermediário feito de polipropileno ou outro material não tecido;

3.       E uma camada externa de tecido resistente à água, como o poliéster.

 

 

Cuidados ao utilizar e retirar as máscaras:

·         Primeiramente, garanta que a máscara está em condições de uso, ou seja, devidamente limpa e sem rupturas, e cubra totalmente a boca e o nariz, não deixando espaços nas laterais, mas também oferecendo conforto para a respiração;

·         Depois de colocá-la, segurando pela haste ou elástico, não toque-a mais. Porém, caso isso aconteça, é preciso higienizar as mãos com água e sabão ou álcool gel 70% imediatamente;

·         Jamais utilize a máscara por mais de três horas - em caso de exercícios físicos, não se deve ultrapassar uma hora. Deve-se trocá-la após esse período ou sempre que estiver úmida ou com sujeira aparente, bem como se for danificada;

·         Não use batom, base ou outra maquiagem junto com a máscara;

·         Higienize as mãos quando for retirá-la. Remova a máscara segurando apenas pela haste, sem tocar o tecido, e coloque-a para lavar. Depois de retirá-la, lave as mãos com água e sabão ou limpe-as com álcool gel 70% novamente;

·         Caso observe que a máscara apresenta danos, como perda de elasticidade das hastes ou desgaste ou deformação do tecido, descarte-a;

·         Não compartilhe suas máscaras.

 

 

Como lavar máscaras de tecido:

1.       Lave-as separadamente. Primeiramente, faça uma lavagem em água corrente e com sabão neutro. Depois, deixe-a de molho por 20 a 30 minutos em uma solução com duas colheres de água sanitária para um litro de água. É possível usar outro desinfetante equivalente. Enxague-a bem em água corrente, evitando deixar qualquer resíduo dos produtos utilizados;

2.       Não torça a máscara com força;

3.       Quando estiver seca, passe-a com ferro quente e guarde-a em um recipiente fechado;

4.       Ainda que as máscaras de tecido sejam reutilizáveis, não exceda mais do que 30 lavagens.

 

·                  Realize exercícios leves a moderados, que, além de mais indicados nesse momento de pandemia, evitam que as máscaras umedeçam mais rapidamente pelo suor excessivo e respiração intensificada. De qualquer forma, procure intercalar o esforço realizado para não ficar pingando. Se gosta de correr, por exemplo, alterne entre caminhadas e corridas leves e moderadas;

·                  Aposte no uso de faixas para cabelo que, quando colocadas sobre a testa, podem ajudar a evitar que o suor escorra pela face e chegue à máscara. Recorra também a toalhinhas para ajudar a enxugar o seu rosto sempre que for preciso.

·                  Ao retornar para casa, faça logo a higienização adequada das máscaras;

·                  E lembre-se: as máscaras vieram para ficar e, por muito tempo, deverão fazer parte do kit básico de acessórios para a prática de exercícios físicos.

 

Fonte: https://globoesporte.globo.com/  para o EU Atleta — Aberystwyth, País de Gales

Deixe o seu comentário